O Clube dos Cinco (ou Breakfast Club) é um filme de drama adolescente do ano de 1985 e atualmente é considerado como um clássico cult. O filme é dirigido e roteirizado pelo aclamado John Hughes, famoso por ter escrito e dirigido filmes que se tornaram clássicos da década de 80 e início dos anos 90, como Gatinhas e Gatões e Curtindo a Vida Adoidado.

  Fiquei tão enlouquecida para fazer a resenha desse filme, que deixei várias outras para trás. Eu acabei de assistir pela quinta vez o filme e senti que deveria urgentemente fazer uma resenha sobre ele, então vamos lá! A história gira em torno de cinco adolescentes que em um sábado são obrigados a ir a escola para cumprir uma detenção, todos são diferentes e cada um tem seu "rótulo": o cérebro, o atleta, o caso perdido, a princesa e o criminoso. O filme começa com a narração da carta escrita pelo "cérebro" Brian e a chegada dos alunos à escola. Cada um a sua maneira, porém já nessa cena, podemos observar as sutis semelhanças entre os cinco. Eles não podiam conversar entre si, dormir ou sair da biblioteca. Deveriam se limitar a pensar sobre seus atos e escrever uma redação sobre o que achavam deles mesmos e é aí que tudo começa.

  Aos poucos todos vão entrando na biblioteca, um de cada vez para de detenção, um dos momentos mais engraçados é quando Allison, o caso perdido, entra de maneira furtiva e acaba tirando risos de todos. Aos poucos entre discussões, brigas e risos os cinco vão abrindo seu coração, conhecendo uns aos outros e descobrindo as semelhanças uns com os outros, como Andrew por exemplo, que sofre pressão do pai para ser o melhor atleta da escola, o mesmo ocorre com Brian, só que com relação a suas notas. Não quero dar spoilers, mas uma das melhores cenas é quando os cinco sentam em um círculo e começam um dialogo sobre eles, aquela cena é tão profunda, tão intensa e uma curiosidade muito interessante é que eles não tinham roteiro ali, tudo aquilo foi puramente espontâneo:


  
A parte do nerd mandando a princesinha "se fu@#$r" por ela achar que os membros do seu grupo não sofriam nenhum tipo de pressão social é muito diferente do que estamos acostumados a ver em filmes de high school americanos. 


Outras cenas diferentes do habitual foram as do início do interesse de Andy por Allison, que ocorreram antes mesmo dela tirar as inúmeras camadas de roupa e maquiagem preta. Geralmente nos filmes, o bonitão só se apaixona pela esquisita após a "transformação" dela. 



A trilha sonora também é muito boa, principalmente a do Simple Minds, que simplesmente é a cara do filme e que devo dizer é a grande culpada de eu ter assistido esse filme, na verdade de culpada não tem nada, pois eu devo é agradecer pois esse filme é, sem exagero nenhum excelente. 


Sábado, 24 mar 1984. Shermer High School, Shermer, Illinois. 60062.
"Caro Sr. Vernon, aceitamos o fato de que nós tivemos que sacrificar um sábado inteiro na detenção pelo que fizemos de errado ... e o que fizemos foi errado, mas acho que você está louco por nos fazer escrever este texto dizendo-lhe o que pensamos de nós mesmos. Que te importa? Você nos enxerga como você deseja nos enxergar ... Em termos mais simples e com definições mais convenientes. Você nos enxerga como um cérebro, um atleta, um caso perdido, uma princesa e um criminoso. Correto? Essa é a maneira que nós nos víamos, às sete horas desta manhã. Passamos por uma lavagem cerebral."
- Brian Johnson







Avaliação: 
☆☆☆☆





Deixe um comentário