Título: Nascida à Meia-Noite;

Autor(a): C. C. Hunter;

Gênero: Sobrenatural, Romance, Fantasia;

Editora: Jangada (Pensamento);

Páginas: 320;

Ano: 2011;

Sinopse: Kylie Galen está na pior. Seus pais vão se divorciar, seu namorado acaba de romper com ela e uma noite, depois de ser presa por estar na festa errada, com as pessoas erradas e na hora errada, é enviada pela mãe para Shadow Falls – um acampamento para adolescentes problemáticos, localizado numa cidade chamada Fallen, no meio de uma misteriosa floresta. Isso muda sua vida para sempre. Poucas horas depois de chegar, ela descobre, assustada, que seus colegas não são apenas “problemáticos”. Kylie nunca se sentiu normal, mas também não se considera como uma daquelas aberrações paranormais. Ou será que ela é? Em Shadow Falls, vampiros, lobisomens, metamorfos, bruxas e fadas aprendem juntos a desenvolver seus poderes, controlar sua magia e viver no mundo normal. 
No entanto, as coisas tomam um rumo diferente quando dois carinhas interessantes entram em cena. Derek, um fae que possui poderes mágicos, quer a todo custo ser seu namorado e Lucas, um lobisomem com quem ela partilha um passado secreto. De início, tudo o que Kylie deseja é sair de Shadow Falls e voltar para casa. Porém, com Derek e Lucas ocupando um lugar cativo em seu coração e depois de descobrir que ela própria tem estranhos poderes, talvez sua vida nunca mais volte a ser a mesma...



Olá, pessoas!



Hoje vim aqui mais uma vez postar pra vocês mais uma resenha dupla! Parece até incrível, não? A frequência com que venho postando aqui só mostra o quanto estou me dedicando ao blog.

Mas bem, mudando de assunto, vamos falar de Nascida à Meia-Noite – Os Sobrenaturais. Primeiro livro de uma Saga de cinco livros, intitulada Acampamento Shadow Falls

Já faz um certo tempinho que esses livros estavam na minha lista, mas como disse anteriormente na resenha sobre Atormentada, os livros da Editora Pensamento (Selo Jangada) tem um preço salgado e por isso demorei tanto pra adquiri-los. Só depois de comprá-los com um descontozinho meia boca, o Submarino vai lá e baixa totalmente o preço do Box dessa Saga. É, temos que sobreviver a esse tipo de coisa que acontece frequentemente.

Não pretendia começar a ler esta Saga nem tão cedo, afinal tenho uma pilha de prioridades pra ler antes deles. Mas confesso que o Box me chamou tanta atenção que resolvi dar o braço à torcer e peguei o primeiro pra ler.
Como eu disse a vocês num dos meus posts sobre minhas leituras em andamento, Nascida à Meia-Noite tem uma narrativa leve, fluida e bastante divertida. O livro nos mostra a vida de Kylie Galen, uma típica adolescente passando pelo término de seu primeiro namoro e o divórcio dos pais. Até aí nada muito novo, não é? São os mesmos dilemas de uma garota passando pela puberdade tem a enfrentar.

Mas as coisas só pioram para a nossa amiga Kylie Galen. Sua mãe, estressada com o divórcio, coloca sua filha num acampamento de férias para jovens problemáticos. E ah, como poderia me esquecer? A nossa Kylie tem terrores noturnos, ela vê um soldado Dude de vez em quando e sua psicóloga resolveu que para seu próprio bem, Kylie deveria passar um tempo no Acampamento Shadow Falls.

Irritada e injustiçada, Kylie é obrigada a ir para o acampamento. Desde o ônibus até o acampamento em si, ela fica ainda mais convicta de que aquele lugar é um absurdo de tão estranho que é. Seus colegas são o espelho da esquisitice, desde a garota com os cabelos tingidos em todas as cores chamativas possíveis até a garota estranha e gélida. Como ela pôde parar ali?

Lá dentro, ela conhece Holiday, uma das líderes do acampamento e uma das pessoas que mais irá ajudar Kylie a passar por essa fase. Sempre solícita, Holiday conta a Galen que ali na verdade não é um acampamento de férias e sim um acampamento para sobrenaturais. E diz que ela possivelmente é uma sobrenatural também. Mas Kylie não aceita isso de cara, e duvida ferrenhamente. Chega num ponto tão dramático, que Kylie prefere ter um aneurisma a ser uma sobrenatural com dons. 

Confesso que é meio chatinho esse mimimi da Kylie a respeito da sua verdadeira identidade. E sim, como primeiro livro, esta narrativa só nos mostra que esse é um dos principais enfoques da autora: a identidade de Kylie.

Mas não fica tão chato assim, porque a autora sabe mesclar os assuntos e tornar o livro leve e fácil. Mas voltando a atenção a nossa querida Kylie, ela acaba dividindo cabana com Della e Miranda, as duas esquisitonas que ela viu dentro do ônibus. E Kylie só pensa na sorte que tem. E é disso que eu menos gostei no livro.
Antes de conhecer bem suas colegas de quarto, Kylie já sabendo das criaturas sobrenaturais que elas são, bruxa e vampira respectivamente, tem um certo preconceito e repulsa em relação as amigas. E nem mesmo quando elas já tem um forte vínculo de amizade, Kylie supera isso. É muito chato! E dá claramente pra perceber o quanto a imaturidade dela magoa suas amigas. 

Mas lá pro finalzinho do livro, ela evolui e reconhece que não importa que espécie suas amigas possam ser. Ah, e sim, já ia me esquecendo de mais um fato marcante no livro, a vida amorosa nada estável de Kylie. Com um ex-namorado que lhe traiu por causa de sexo, ela ainda está em processo de superação, quando encontra Derek, um meio fae, que controla e sente emoções. Divertido, encantador e sereno, Kylie logo acaba por gostar dele. Mas aí, não mais do que de repente, Lucas surge. Lucas, o Lobisomem. Cujo par de olhos parece lhe atrair, e deixar um rastro de mistério no ar toda vez que dá as costas. 

É isso mesmo que estão vendo. O bom e clichê triângulo amoroso. Depois de ler a Saga Crepúsculo e passar pelo drama Bella-Edward-Jacob, eu prometi a mim mesma que não leria nada mais que envolvesse isso. Mas paguei com a língua como podem ver. 

Mas ainda bem que esse triângulo amoroso não é tão focado assim. Existe outro assunto que é o principal foco da autora: a descoberta da verdadeira identidade de Kylie e seu crescimento na história.

É esse o principal foco nos cinco livros, e digo isso, sem nem ter lido todos eles. Claramente podemos ver o quanto Kylie vai crescendo conforme a leitura vai fluindo. E como já li os dois primeiros livros, confesso que a C. C. Hunter tá demorando um pouquinho pra nos mostrar a verdade sobre Kylie. Mas estou lendo o terceiro livro, e como a sinopse já dá a entender, logo descobriremos sua real identidade. 
E uma das coisas que mais gostei e me surpreendi em relação ao livro foi que no pátio da faculdade ou até no ônibus de manhã cedinho, esse livro me fazia rir horrores. Temos uma narrativa muito bem intrincada e construída aqui. Seus personagens são cativantes e vão crescendo junto com a gente à medida que vamos entrando ainda mais na história. 

Acabei gostando tanto de certos personagens, como a Holiday e a Della, que adoraria um spin-off sobre essas duas guerreiras. Fica aí uma deixa pra autora pensar no assunto. Aposto que os fãs dessa série se encantaram por Della e seu humor ácido.

O segundo livro, Desperta ao Amanhecer, segue sob a mesma linearidade do primeiro, Nascida à Meia-Noite. Kylie ainda está descobrindo sua identidade, alguns dons descobertos só reforçam o quanto nossa protagonista é bem dotada de poderes sobrenaturais.

Alguns acontecimentos marcantes e cheios de ação dão uma certa emoção à caminhada de Kylie rumo ao seu crescimento. Fora isso, o relacionamento precário de Kylie com sua mãe acaba se transformando em algo encantador. Foi cativante ver o crescimento de mãe e filha nessa história. 

Dei cinco estrelas para os dois livros só por ter me divertido tanto. Acabei me surpreendendo com essa série e sem sombra de dúvidas irei ler todos os outros.


Deixe um comentário