Coluna Quinzenal (30/04)

Olá, pessoal! Chegou a minha vez de escrever a coluna quinzenal e, não posso negar, faz um tempo que eu gostaria de tocar nesse assunto. Sou escritora 'amadora' faz uns cinco anos e ainda não publiquei nenhum livro, mas posso dizer que já tenho uma espécie de experiência quanto ao processo de escrita. Várias vezes me peguei lendo dicas de outros escritores sobre como facilitar essa experiência e é isto que vim trazer aqui pra vocês, cinco dicas para você que quer escrever seu primeiro livro.




Leia

Já ouviu aquele ditado "você é o que você lê"? Então, essa é uma verdade irrefutável. Eu sempre digo que não há um manual de instruções, mas acho que é impossível ser um bom escritor se você não for um bom leitor. Leia, leia, leia e leia. Você não precisa necessariamente ler somente clássicos (que não deixam de ser muito importantes), mas qualquer tipo de livro que te interesse. Tomar gosto pela leitura é o primeiro passo. 

Se você quer escrever, por exemplo, sobre abduções alienígenas, nada melhor do que ler sobre o assunto. Leia livros, matérias, colunas, enfim, pesquise bastante. É fato que escrevemos melhor sobre algo que conhecemos, por isso, leia bastante para ter os pés no chão na hora de escrever.



Anote

Eu já ando com uma agenda e caneta na bolsa. Cada ideia, cada sinopse, cada cena, cada diálogo que passar pela sua mente... anote. Viu algum filme ou ouviu uma música que te fez lembrar da sua estória? Anote. Sim, não tenha medo e faça milhões de anotações, se necessário. É sempre bom porque, quem escreve sabe disso, às vezes são muitas ideias ao mesmo tempo e a gente sempre acaba esquecendo algum detalhe. Mesmo que a sua estória não esteja pronta na sua cabeça ainda, pensou em uma cena? Escreva-a, guarde tudo o que puder.



Planeje 

Sabe aquela agenda que eu te falei? Então, lá ficam anotadas absolutamente tudo o que acontecerá na sua estória. 

Pare e pense: o que eu quero que aconteça? Quando descobrir, pense em quais fatos podem levá-lo ao centro da sua história. É o final, o meio...? Não importa. Se você quer uma abdução alienígena, o que precisa acontecer para que a abdução ocorra? Esse é o seu enredo. 

Outra peça importante na sua estória são os personagens, eles são as peças que você tem de manipular para que o enredo aconteça. São eles quem vão compor a estória, os que vão vivê-la. Os personagens são o meio que o autor usa para que a estória se desenrole.

Com o enredo e personagens em mente, anote tudo. Uma boa dica que me deram uma vez é fazer um cronograma, uma espécie de linha do tempo da sua estória, assim você pode enxergar tudo com mais clareza e saber exatamente como deve escrever cada cena. Então é só segui-la, escrevendo cada cena por vez. Se lá na frente alguma coisa tiver que mudar, é só reescrever/editar, tanto faz. Quando a gente escreve, algumas coisas sempre mudam, mas para chegar até aí um planejamento é essencial. Então mesmo que sua estória tome um rumo diferente do que você imaginava, é preciso ter uma base para início de conversa.



Crie

Não é necessário dizer que é preciso de bastante criatividade nessas horas, certo? Mas às vezes, até para as pessoas criativas, é um pouco difícil. Sendo escritor é super normal passar por aquelas fases "em branco", ou melhor, sem inspiração...

É por isso que nesse momento é necessário um esforço a mais. Cada personagem que você criou, sejam eles baseados em pessoas reais ou totalmente inventados por você, precisam ser únicos. É complexo, mas não é tão difícil quanto parece. Pense nas pessoas ao seu redor. Cada uma delas tem uma série de manias, qualidades, defeitos, detalhes físicos e psicológicos que as caracterizam e as tornam únicas. A mesma coisa é o seu personagem. Eles precisam de uma personalidade tanto para se distinguirem uns dos outros (evitando aquele sentimento de 'vazio' quando uma estória está cheia de personagens rasos) tanto para se destacarem na estória, afinal, mesmo os "figurantes" não estão ali só para ocupar espaço, certo? Faça com que chamem a atenção do seu leitor, que o cativem, que o prendam na leitura.



Saia da zona de conforto

Quando digo pra sair da zona de conforto, não falo apenas sobre escrever sobre coisas "novas" pra você, mas também para deixar de lado a preguiça.

Escrever um livro é um processo cansativo, complexo, mas revigora, faz bem à alma do escritor. Se você quer mesmo que este projeto dê certo, saiba que antes de tudo você vai precisar de muita força de vontade e paciência... se sente que algo não está bom, volte e edite, reescreva... fala isso quantas vezes precisar, mesmo que demore, até que tudo esteja perfeito (quase nunca vai estar, mas a tentativa vale a pena). Virão noites insone? Muitas, milhares, na verdade. Mas lembre-se, o resultado é compensador.


OBS.: como destaquei lá em cima, essas dicas são apenas para facilitar. Não existe uma fórmula matemática ou uma poção mágica que te faça escrever um livro do dia para a noite. Além disso, cada escritor tem um método próprio de trabalho. No fim, o que vai te destacar é a sua originalidade.


Deixe um comentário