Ficha Técnica


Título:
No Fundo do Amor (Forgive My Fins)
Autor (a): Tera Lynn Childs
Editora: ID
Gênero: Romance e Fantasia
Nº de Páginas: 296


Sinopse: 

"Lily Sanders é metade humana, metade sereia. Ah, e não é uma sereia qualquer: é uma princesa Thalassínia que resolveu tomar novos ares e viver em terra firme. Enquanto dribla seu vizinho chato, Lily tenta chamar a atenção do perfeito Brody Bennet. Ela apenas espera que seus planos não naufraguem..." 



Eu li esse livro há muito, muito tempo. Não tenho certeza de quanto, mas lembro que quando o li, ainda não existia uma edição brasileira. Sim, foi um daqueles momentos em que os tradutores informais da internet (sem fins lucrativos) salvaram a minha vida, porque No Fundo do Amor (ou no original, como estou mais acostumada, Forgive My Fins) foi uma das estórias mais divertidas que já tive o prazer de conhecer.

A autora, Tera Lynn Childs, é conhecida por livros e contos com mitologia, que variam desde sereias até deuses gregos, sempre com um romance doce e toques suaves de comédia, o que, na minha opinião, deu muito certo por aqui. No Fundo do Amor é tudo isso: romântico, suave, engraçado, emocionante e divertido.

Tudo começa com Lily, a nossa romântica e um tanto ingênua protagonista, tentando criar coragem para convidar Brody - sua paixão platônica de três anos - para o baile. No entanto, toda vez que consegue a atenção de seu amado, algo a interrompe: seja o seu medo, sua falta de tato ou seu vizinho Quince, que está sempre muitíssimo feliz em irritá-la. Após algumas tentativas fracassadas, o próprio Quince se oferece para ajudá-la a conquistar Brody durante o baile, o que pode ser mais uma de suas armadilhas para infernizá-la, ou pode ser a grande chance que Lily tem esperado durante muito tempo.


Até este ponto, o enredo é bem comum. Temos uma adolescente apaixonada pelo garoto mais popular do colégio que, ao mesmo tempo em que tenta declarar seus sentimentos, precisa também lidar com um verdadeiro "pé no saco", ou no caso um Baiacu, como Lily prefere chamar. No entanto, Lily não é nada comum. Ela é, na verdade, a Princesa Waterlily de Thalassínia, um próspero reino subaquático, "abençoado" por Poseidon, onde milhares de sereias e tritões vivem harmoniosamente, incluindo seu pai, o Rei; Peri, sua melhor amiga sereia; e Dosi, sua prima encrenqueira. Há três anos, Lily descobriu que sua mãe, que morreu em um acidente de carro pouco depois de seu nascimento, era uma humana. Para se reconectar com seu passado, e também com esse lado de si mesma que ela não conhecia, Lily acaba se mudando para "terra firme", indo morar então com sua tia Rachel.

O mais interessante é que, mesmo em terra, vivendo um cotidiano humano e cheio de preocupações humanas, Lily não deixa sua metade aquática de lado. Por exemplo, sua infinita e divertida terminologia marinha me fez questionar várias vezes durante a leitura se Tera Lynn Childs realmente não veio de um reino subaquático. Sério. A escrita é criativa e convincente.

Mas voltando ao enredo... ao aceitar - relutante - a ajuda do Baiacu Quince, Lily aceita também seguir seu plano, que consiste em esperar em uma biblioteca escura e vazia durante o baile enquanto Quince arma para que Brody vá a seu encontro. Lily o espera. E ele vai. E acontece um beijo de arrepiar as barbatanas. O problema é que, ao abrir os olhos, Lily percebe que aquele que a beijou não foi Brody, seu tritão dos sonhos, mas sim o seu vizinho motoqueiro e irritante. E é aí que a trama realmente começa, pois uma coisa... interessante acontece quando uma sereia Mer beija um humano.


Acompanhar a jornada de Lily é divertido porque, ao mesmo tempo em que conhecemos a mitologia maravilhosa que Tera Lynn Childs criou para suas sereias, também assistimos o desenvolvimento de um romance que, apesar de ficcional, conseguiu englobar a beleza e a complexidade de um relacionamento real. 

No Fundo do Amor flui bem, possuindo cenários bem construídos (principalmente as cenas em Thalassínia), personagens cativantes e plots que são bem explorados e aprofundados. Apesar de algumas coisas nos irritarem durante a leitura, como o fato da protagonista só enxergar o que quer, a experiência em si é positiva e todas as pontas da trama são bem amarradas até o fim do livro, que termina com um gancho que nos faz roer as unhas por Eternas Escamas, a continuação já lançada aqui no Brasil.



"– Não acredita que é bonita?  sua voz baixa e sem inflexões.
– Eu sei que não sou – respondo. – Não sou como Courtney ou Dosinia. Inclusive Peri tem um estilo elegante e bonito. Eu apenas sou... eu.

Eu, com sardas, pernas finas e lábios grandes iguais aos olhos. Quem poderia me achar atraente? Sou como um avestruz.

– Não deve fazer suposições sobre como os demais te vêem, Lily. – disse, soando sincero. Não pude afastar o olhar dele, quando adicionou: – Algumas pessoas encontram beleza no caos."



Apesar de não ser um gigante da literatura, o livro não decepciona e é bastante recomendável para os fãs de mitologia, marinha ou em geral. Na verdade, ele até nos surpreende com plots que conseguem realmente nos emocionar. Pela construção sólida e criativa, dou-lhe as minhas quatro estrelinhas cinza. Espero que tenham gostado da resenha e continue me acompanhando aqui no My Notebook e lá em Thalassínia também, onde em breve estarei novamente. Até a próxima... Õ/







Att: para conferir a resenha da continuação da série  Eternas Escamas –, clique aqui.


Um Comentário

  1. Parabéns a resenha é muito boa mas poderia manter alguns detalhes fora para não contar toda a história logo de cara.

    ResponderExcluir